O nosso livro já está disponível no site da Editora Impetus: "Comentários ao Projeto do Novo Código Penal - PLS 236/2012". Adquira o seu! :)
NOTA DA PROVA
  • Olá pessoal!
    Minha nota foi 4,55.  Ainda não foi nessa, mas estou muito satisfeito porque tirei 3 na peça prática. Nas questões faltou o conhecimento atualizado. A próxima eu não vou fazer, irei me preparar um pouco mais, afinal, 200 pilas é muita grana.
    Abraços a todos.
  • Boa noite Prof. Leonardo

    Eu me formei em 2005, fui reprovada em dois exames, logo depois veio um filhinho e eu só consegui retomar um sonho antigo agora, encontrei o seu site e foi seguindo as suas explicações e estudando apenas em casa que hoje eu senti uma das maiores alegrias da minha vida, FUI APROVADA NO VIII EXAME DA OAB, gostaria muito de agradecer a sua dedicação, foi seguindo as suas postagens, entendendo as suas explicações e estudando muito que consegui minha aprovação, muito obrigada Prof.

    Caroline Pisani

  • Eclesiastes, bola p/ frente! Vai fazer a próxima prova, né? Um abração, meu amigo!
  • Oi, Caroline! Que alegria ao ler o seu comentário! Parabéns pela aprovação! Desejo a você uma carreira de muito sucesso. Um super abraço!
  • Professor fiquei com 4,5. Mas não posso deixar de registrar o meu agradecimento pelo belo trabalho que vem fazendo para nós estudantes e formados em Direito.

    Muito obrigado. 

    Agora é estudar muito, para passar bem!
  • Valeu, Joabe! Não pode desanimar não! Estaremos juntos em batalhas futuras. Um abração!
  • Olha professor! Fiquei com 8,7. Sou uma pessoa sem condições econômicas para ficar pagando cursinhos! Sou bolsista Prouni e estou finalizando o décimo período. Por isso, gostaria de salientar a sua importância para meus estudos! Muito obrigado pela sua enorme boa vontade e paciência em indicar aos alunos o melhor caminho! Meu êxito se deve muito em parte aos modelos de peças deste site! Muito obrigado mesmo!
  • Que ótimo, Becheri!!!! Fiquei muito feliz com a notícia!!! Um forte abraço!!
  • Leonardo, bom dia! Faz uns dois dias que eu e alguns colegas de outro fórum percebemos que existe um erro material no espelho da questão 2-B. No padrão de resposta exige do candidato respostas alternativas, auferindo pontuação mínima de 0,30 e não fala o que se tem que ser feito para auferir a pontuação máxima de 0,60. Já no espelho individual a questão pede do candidato a resposta na sua integralidade, ou seja, cumulativa valendo 0,60. Muita gente pode ter perdido no mínimo 0,30 nesta questão.

    Agora, observe que o edital no item 5 nada fala de erro material no padrão de resposta da prova prático-profissional, no item 5.1.2 só fala da prova objetiva. Eu, particularmente, penso que no mínimo deve ser revisto, eu errei a questão, mas pode ter prejudicado muita gente. Se por acaso a FGV entender que seria menos trabalhoso anular a questão, conforme previsão do edital, os pontos aproveitam a todos.

    Um abraço!

  • professor, foi aprovado, faço 10º periodo( ultimo). 
    quando tenho que requerer o comprovante de aprovação?
    minha irmã tambem passou, ela ja é formada, ela tambem tem que requerer o comprovante de aprovação?
  • Parabenizo a todos aqueles que lograram êxito no VIII Exame da Ordem, realmente é uma grande vitória.

    Só gostaria de deixar aqui o meu protesto em favor daqueles que não "paçaram" , e o cuidado nas palavras à aqueles textos motivadores.

    Não sou contra o Exame da Ordem, mas sou a favor de um exame justo, não acho digno dizer que um exame onde os candidatos estudam 5 anos a fio , tendo uma aprovação na ordem média de 15%, seja justo.

    Se tem que avaliar o conhecimento daqueles que estão ingressando na carreira, não teriam que avaliar o conhecimento e "atualização" daqueles que estão a tanto tempo no mercado, já que  o Direito e dinâmico diariamente ??

    Fui frequente por cinco anos nos bancos acadêmicos, sem carregar um exame, sem frequentar os "bares" da vida, sacrificando minha família,  privando-os de minha presença, de bens, de valores; a fim de poder ter uma profissão. E acabei de ficar pelo quinta vez em uma segunda fase.

    Não bastasse, novamente privando minha família pela 5ª vez consecutiva, na frequência dos cursinhos para OAB, privando meu filho recém-nascido de sua regalias, quiça de seu próprio leite diário. E acabei de ficar pelo quinta vez em uma segunda fase.

    Não foram poucas as vezes nestas cinco tentativas,  que dormi 3 horas por noite, usando o restante desta para poder estudar, novamente privando minha família da convivência em família e no outro dia ter que tirar o sustento para minha família. E acabei de ficar pelo quinta vez em uma segunda fase.

    Foram realmente dias de sangue, suor e estudo ?

    E o que ouvimos? ... Não estudaram o suficiente..., ... Faltou empenho..., ...É discurso de derrotista..., ...As faculdades que não prestam...

    Ora senhores coloquemos a mão na consciência, é fácil atirar pedra no telhado dos outros. Vamos dividir responsabilidades. Se fosse assim as grandes Universidades teriam um indice de aprovação de 100% ou pelo menos beirando isso.  Façamos um teste com estes que ai estão no mercado a muito tempo e vejamos o resultado.

    Só eu sei o que tenho passado nestas 5 tentativas, não sou mais moleque e não tenho mais tempo de errar, ninguém convive comigo para ver o que tenho passado, ninguém paga minhas contas para dizer que não estudei o suficiente, que não me empenhei ou que minha faculdade não presta. Chegou a hora de rever estes conceitos, dividir as responsabilidades, é hora de 100% de transparências; estamos com o STF fazendo um excelente trabalho julgando um mensalão, no entanto nos que deveríamos dar exemplo estamos varrendo a sujeira para debaixo do tapete em nossa própria casa.

    chegou a hora de rever também meus próprios conceitos, apesar da paixão, sera que escolhi a profissão certa ? ou será que estou escolhendo a área errada para prestar o exame ?
    vou refletir!!!

    PS: peço desculpas à aqueles que não precisariam estar lendo isso, mas é que ouvimos e lemos muitos absurdos, que nos deixam assim..

    Muito obrigado...



  • EdsonRS! Sei o que é isso, continue firme e forte na luta que uma hora com certeza terá êxito. Não desanima não. Hoje eu não sou Advogado por 0,45. Por este percentual para a OAB eu ainda faço parte dos que eles consideram incapacitados ao exercício da advocacia. Ser reprovado em uma prova subjetiva por 0,45 não é fácil, tenho que me enquadrar em uma forma, sou obrigado a pressupor qual corrente o examinador segue. Não é fácil, mas continue firme forte na luta.

     

    Um abraço!

  • Caro professor, eu creio que nao irei prestar mais a prova, fiquei muito desanimado é a segunda prova da 2 fase que enfrento, desta vez estava mais preparado, fiquei com 5,5 pois na peça pedi a desclassificação para ameça, o que ainda entendo que caiba, e na questao 2 sobre abel e felipe classifiquei a letra a) furto qualificado mediante fraude que na minha opiniao e da doutrina como o autor Nucci entendo ser furto qualificado mediante fraude, o professor acha que em um futuro MS conseguiria reverter essa situação? Outro fato, eu vi uma divulgação em um site juridico que teria sido julgado uma ADIN no STF que a competencia para julgar açoes contra a OAB nao seria mais a esfera Federal, nao sendo mais considerada com entidade autarquica federal, e sendo a competencia da justiça comum estadual, nao sei se o professor tem essa informação, obrigado mais uma vez por nos ajudar com seu brilhante conhecimento e parabens a todos que alcançaram a aprovação e muito sucesso em suas carreiras.
  • Rogerio, fiquei por 0,45, não estou muito confiante no recurso, fiz o mesmo que você, mas talvez possamos pedir alguma pontuação por ter seguido o raciocínio utilizado pela banca, ou seja, a desclassificação, apesar de ter feito para o crime errado. Não foi isso que eles fizeram, uma desclassificação? Nas questões eu penso que na 2-B se as chaves estavam com o proprietário do veículo, por mais que o enunciado não diga que houve uso de habilidade, como é que se subtrai (sem ser percebido) algo que está com alguém sem tê-la? O próprio enunciado diz "sem que ele o percebesse". Ele é o proprietário do veículo. Somente a ele caberia vigiar a sua propriedade, pois o enunciado não demonstra que tenha transferido a responsabilidade a alguém e nem ao menos que tenha descuidado da vigilância desta. Como é que se retira algo de alguém sem que esta pessoa perceba se não demonstrar excepcional habilidade? Vejamos no caso prático:

    Seu carro foi furtado?

    Foi.

    Você viu quem fez isso?

    Não.

    As chaves também foram furtadas? Elas estavam com quem?

    Foram, estavam comigo.

     

    A questão não pede para defender. Pede para tipificar. Se eu sou um promotor e a narrativa chega a mim desta forma: A subtraiu as chaves de B sem que este o percebesse. Eu denuncio B no que? Ele que demonstre não ter sido hábil. Eu e a maioria das pessoas não conseguiria subtrair algo que está com alguém sem ser percebido. Não tenho habilidade para isto. Agora, se a pessoa não estivesse vigilante...mas a questão não destaca isso.

    Um abraço!

     

  • Tenta aprender com meus erros, e estudar bastante agora.
  • Concordo com as palavras do EdsonRS.
  • EdsonRS, concordo com você, e posso apenas imaginar como você se sente após ter passado por tudo isso. Sabemos que a discussão sobre a legitimidade do exame de ordem chegou ao STF, mas não tenho a menor esperança de que o exame deixe de existir. Interessante observar que a única profissão, além da advocacia, na qual um indivíduo precisa passar por uma seleção organizada pela própria classe profissional para exerce-la é a de músico. Alguém que queira uma carteirinha de músico, para se apresentar em público, tem que passar por uma prova na ordem dos músicos do Brasil. Detalhe: bacharéis em música são dispensados dessa prova. O conselho federal de medicina recentemente instituiu também uma prova para os recém-formados, e pelo que ouvi nos noticiários, apenas em torno de 30 % foram aprovados. Detalhe: a reprovação nessa prova não os impede de exercer a medicina. Penso que, por isso, continuaremos a ouvir casos como o da pediatra que matou uma menina de dois anos, prescrevendo uma dose de adrenalina muito superior à recomendada para um adulto.

    Eu não me oponho ao exame de ordem. Na verdade, pra mim, passar virou questão de honra! Mas eu crítico duas coisas.
    1. O exame de ordem devia fazer o que ele diz que faz: verificar se o futuro advogado tem os conhecimentos mais basilares do direito, a fim de exercer a profissão sem prejudicar seus clientes. O que muitas questões da prova cobram são detalhes tão específicos que eu duvido que advogados com anos de experiência saberiam responder. Há muitas pegadinhas, e pouca disposição para avaliar os recursos. Soube que questões manifestamente erradas deixaram de anuladas.

    2. Como já foi dito: o direito muda constantemente. Se o objetivo do exame é assegurar a qualidade dos profissionais, deveria haver recall, ou seja, os advogados em exercício deveriam ter que prestar a prova periodicamente, sob pena de não continuar atuando. Outros países, como ks Estados Unidos, fazem assim. Com isso, estaríamos barbaridades como um advogado ingressar com uma ação de desquite em 2006, outra advogada confundir tutela antecipada da lide numa ação revisional de alimentos com guarda da menor (vi isso acontecer no meu estágio).

    Do jeito que está agora, a prova da OAB dá a impressão de estar promovendo um Malthusianismo corporativo.